A cada ano, mil garotas menores de idade são forçadas a se casar


A cada ano, mil garotas menores de idade são forçadas a se casar

Um relatório divulgado segunda-feira (07/02/2014), estimou que mil mulheres cristãs e hindus são forçadas a se converterem e casarem com muçulmanos, no Paquistão


Girl_Pakistan.jpg

De acordo com o relatório publicado pelo Movimento de Solidariedade e Paz no Paquistão (tradução livre), cerca de 700 dessas mulheres são cristãs e 300 hindus.

"A verdadeira escala do problema é na verdade muito maior, com o número de casos que nunca são reportados ou não estão em processo de serem julgados pela lei e sistemas legais," afirma o autor do documento.
O MSP também fez um apelo para uma ação conjunta entre o relatório e uma investigação detalhada de casamentos e conversões forçados aos quais meninas e mulheres cristãs são submetidas no Paquistão.
A comunidade cristã paquistanesa ultrapassa dois milhões de pessoas e corresponde a 42% das minorias no país. Quase todos os cristãos vivem em Punjab.
As investigações do MSP descobriram casos que casamentos e conversões forçadas seguem um padrão: garotas cristãs – geralmente entre 12 e 25 anos – são raptadas, forçadas a se converter e a casar com o raptor ou um terceiro.
A família da vítima geralmente preenche o documento de Relatório de Primeira Informação para sequestro ou estupro na delegacia de polícia local. O raptor, em "favor" da vítima, preenche um contra relatório, acusando a família cristã de assediar a mulher que agora se converteu ao islã e casou-se intencionalmente, e a conspirar para que a garota volte à fé cristã.
No tribunal ou perante o magistrado, a vítima é convidada a testemunhar se, de fato, ela se converteu e casou-se por sua própria vontade ou se ela foi sequestrada.
Na maioria dos casos, a garota permanece em custódia do raptor enquanto os trâmites judiciais estão em prosseguimento. Após o pronunciamento da menina, de que ela voluntariamente se converteu e casou, o caso está resolvido e sem qualquer assistência para a família. Uma vez que ela encontra-se sob custódia do raptor, a vítima é sujeita à violência sexual, estupro, prostituição forçada, tráfico humano ou outros abusos domésticos.
Esses padrões de violência e extravios de justiça são explorados no relatório através do estudo de dez casos.
O documento também descreve o contexto social e histórico do problema e as queixas particulares da comunidade cristã paquistanesa em relação à total extinção da garantia legal, política e processual de direitos humanos para as minorias religiosas no Paquistão.

O relatório também destaca os padrões de violência através dos quais a lei e as atitudes sociais tornam-se cúmplices ao prover a impunidade para os transgressores, e a complexidade natural que associa crimes, o que dificulta o processo de categorizar tais crimes como algo específico a uma identidade religiosa. O relatório conclui com detalhadas recomendações em vários níveis – nacional, provincial e local – para as principais partes interessadas.
Ore por essa situação, em especial, pelas cristãs paquistanesas que enfrentam tudo isso e, mesmo assim, escolhem permanecer firmes à sua fé em Jesus.
Fonte: PortasAbertas.org.br
Ele é Cristão
Ele é Cristão

This is a short biography of the post author. Maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec vitae sapien ut libero venenatis faucibus nullam quis ante maecenas nec odio et ante tincidunt tempus donec.

Nenhum comentário:

Postar um comentário